"Sobreviver" é o desafio das rádios locais em tempo de pandemia

A Aric – Associação de Rádios apresentou Presidente da República, na passada sexta-feira, o resultado de um inquérito feito às rádios locais associadas, onde caracteriza a situação de dificuldade vivida no dia-a-dia das rádios locais. O inquérito...

A Aric – Associação de Rádios apresentou Presidente da República, na passada sexta-feira, o resultado de um inquérito feito às rádios locais associadas, onde caracteriza a situação de dificuldade vivida no dia-a-dia das rádios locais. O inquérito foi realizado nos dias 22 e 23 de Abril, ao universo de Rádios Associadas que abrangem o total das cinco grandes regiões do continente (Norte; Centro; Lisboa e Vale do Tejo; Alentejo e Algarve) bem como as regiões autónomas. Das dez questões propostas para resposta, resultaram que as principais ideias são que 96% dos respondentes (ou seja 64% dos inquiridos), assinalam que houve redução das receitas angariadas através da publicidade, sendo que 39% afirma que a quebra foi superior a 70%. Já no respeitante à variação de clientes angariados desde o mês de Março, 46% afirma que a redução atingiu valores que superam os 70%, em relação a períodos anteriores. Quanto às dificuldades económicas que poderão implicar alterações na equipa de funcionários, o panorama também é de dificuldades acrescidas já que 71% das Rádios que responderam, afirmaram já ter tido ou estão a prever tomar medidas quanto à redução do número de funcionários ao seu serviço. Em termos puramente financeiros, 94% das rádios revelou já ter tido ou estar a prever ter dificuldades em satisfazer os encargos com os trabalhadores, sendo que 11% já sentiu dificuldades em Março e 29% aponta para o final deste mês de Abril para que tal aconteça. Apesar de todas estas dificuldades, 68% das rádios afirma que tem cumprido o serviço de informar com mais trabalho realizado, em relação a períodos anteriores. As duas últimas questões do breve questionário endereçado às rádios revelaram que 96% das entidades respondentes consideram importante que haja apoios específicos para a Comunicação Social. Apesar desta quase unanimidade, 14% das respondentes consideram que a integridade e liberdade jornalística fica condicionada, com a atribuição desses apoios.