Porto Santo defende vacinação de toda a sua população

O presidente da Câmara Municipal do Porto Santo defende a vacinação massiva de toda a população, entendendo que a ilha deveria ter tido o mesmo tratamento que teve a ilha açoriana do Corvo, em que todos os seus habitantes já foram vacinados...

Porto Santo defende vacinação de toda a sua população
O presidente da Câmara Municipal do Porto Santo defende a vacinação massiva de toda a população, entendendo que a ilha deveria ter tido o mesmo tratamento que teve a ilha açoriana do Corvo, em que todos os seus habitantes já foram vacinados contra a covid-19. No Corvo, a população [435 habitantes segundo os últimos censos] já foi toda vacinada e isso é o que Idalino Vasconcelos ambiciona também para a sua ilha. Está ciente de que a vacinação obedece a quotas, mas argumenta que a ilha é pequena [5.483 habitantes nos censos de 2011), é um destino turístico e depende financeiramente de quem a visita. Além disso, o autarca lembra que a ilha, pela sua pequena dimensão, não pode correr o risco de voltar a ter o número de casos positivos que registou em janeiro último, nem de ver encerradas lojas de bens de primeira necessidade na decorrência de surtos de covid-19. Aliás, neste momento o Porto Santo está com zero casos de covid-19 e esta é uma situação que quer muito manter. Neste sentido, destaca não só o “grande trabalho” das autoridades de saúde, mas também ao “comportamento exemplar” dos porto-santenses. Idalino Vasconcelos não tem dúvidas que estas têm sido duas componentes importantes para minimizar a situação de pandemia na “Ilha Dourada”.   Páscoa em aberto A pouco mais de um mês da Páscoa, o Porto Santo ainda não sabe bem como será este período que, antes desta pandemia, sempre representou um pequeno balão de oxigénio para a economia local. Embora nunca tivesse o peso que o verão representa, em termos de receitas, a Páscoa acabava por ser também um período importante. Este ano, o presidente da autarquia admite que ainda estão algumas questões em aberto, até porque, as medidas de desconfinamento ou de restrição em relação a algumas áreas estão a ser anunciadas pelo Governo “semana a semana”, consoante a evolução epidemiológica. Mesmo assim, Idalino Vasconcelos está bastante otimista. Acredita que as medidas, ao serem anunciadas semanalmente, ajudarão a economia da ilha a adaptar-se à pandemia, mas também porque tem fé que, a partir de março a situação epidemiológica da Madeira já esteja bem melhor. Todavia, e porque ainda haverá covid-19 para combater, o autarca sugere que seja revista a situação das pessoas que queiram viajar para o Porto Santo. Afirma que é importante que os visitantes cheguem à ilha com teste negativo, até porque essa seria uma garantia de que não iriam infetar ninguém, mas diz não concordar com o facto de, atualmente, as pessoas terem de esperar cinco dias em casa, após viagem à Madeira, para então fazerem o teste à covid.   Retoma com cautela Com alguns hotéis fechados e sem a visita de estrangeiros, o Porto Santo volta-se agora para o turista regional e continental e até perspetiva um “bom verão” porque são estes que ajudam fortemente a economia local. Contudo, alerta Idalino Vasconcelos, a retoma, embora muito esperada, deverá ser feita “com confiança, mas também com muito cautela”. Se forem tomados os conselhos das autoridades de saúde e das forças de segurança, o presidente diz não ter dúvidas que “as coisas vão melhorar para todas as pessoas”. O presidente recorda que é a economia que terá de se adaptar à situação epidemiológica e que “não há economia forte numa sociedade doente”.