JPP apresenta voto de louvor ao padre Rui Sousa

O Grupo Parlamentar do JPP apresentou um voto de louvor intitulado de "Ao Padre Rui Sousa, mentor principal da Quinta Pedagógica dos Prazeres”. "Ao longo da história foram vários os projetos que surgiram em diversas áreas e domínios, que elevaram...

JPP apresenta voto de louvor ao padre Rui Sousa
O Grupo Parlamentar do JPP apresentou um voto de louvor intitulado de "Ao Padre Rui Sousa, mentor principal da Quinta Pedagógica dos Prazeres”. "Ao longo da história foram vários os projetos que surgiram em diversas áreas e domínios, que elevaram os seus autores a um patamar de excelência e que enobreceram as gentes, os costumes e tradições dos lugares onde os mesmos nasceram. A Quinta Pedagógica dos Prazeres foi e continua a ser um desses projetos. Um projeto inovador, cujo principal mentor, padre Rui Sousa, incentivou os seus paroquianos - gente simples da ruralidade madeirense, mas dotadas da sabedoria telúrica, feita da vivência e do labor de quem vê na terra sustento e razão de viver - para um projeto desta natureza. Nascia assim um dos projetos mais inovadores ao nível da educação ambiental e da produção de genuínos produtos regionais que, paulatinamente, vieram a provar a sua mais valia, tanto ao nível social como económico", refere o voto de louvor do JPP. O JPP relembra, no documento enviado às redações, que "quando em 1998 foi enviado para exercer o seu múnus sacerdotal na paróquia dos Prazeres, o padre Rui Sousa encontrou uma paróquia, como tantas outras, presas a um atavismo marcado pela pressão de uma ruralidade ensimesmada, a necessitar de um “abanão” mobilizador. Sem se deixar intimidar, cuidou das obras da igreja e mobilizou os paroquianos para um projeto que aproveitasse ao máximo as potencialidades dos terrenos envolventes à igreja. Este seria o embrião de um movimento que cresceu com o entusiamo da população dos Prazeres e a força mobilizadora do padre Rui Sousa, líder espiritual da paróquia e, simultaneamente, agente libertador de uma população que felizmente entendeu o alcance da obra." O partido considera que "a casa de chá, núcleo inicial, foi e é um sucesso que trouxe gentes de todos os lados para provar a excelência das ervas de chá ali cultivadas".  "A freguesia dos Prazeres começava a sua sinalização no mapa dos locais a visitar na Madeira. O ano 2000 marca o arranque oficial deste marcante projeto de intervenção social/ pedagógico", prossegue, referindo ainda que "a permanente inquietação de Rui Sousa abriu caminho a outras valências, a mais conhecida delas, a parceria com o Jardim Zoológico de Lisboa, que permitiu trazer uma variedade de animais pouco conhecidos da fauna regional, para o espaço da Quinta. Um sucesso imediato, principalmente junto do público infantojuvenil e que, uma vez mais, trouxe visibilidade à freguesia dos Prazeres." "A integração global do projeto no espaço da freguesia deu-se com a promoção das produções locais, nomeadamente licores e doces tradicionais e de outras produções que sem expressão local, se dinamizaram, como seja a da produção de sidra e respetivo vinagre. A freguesia dos Prazeres surge assim, destacada, no mapa da produção de sidra regional. Produtos agregados a esta produção como os vinagres de sidra, com diversas variantes, integrando as aromáticas produzidas na Quinta, obtiveram o reconhecimento dos grandes chefs da restauração madeirenses. Produtos, diga-se, com elevado valor acrescentado." O JPP refere por fim que "a Assembleia Legislativa da Madeira, no uso das suas atribuições regimentais, reconhece a importância da Quinta Pedagógica dos Prazeres nas suas múltiplas vertentes e aprova este voto de louvor ao padre Rui Sousa, mentor principal deste projeto de educação ambiental e de promoção das produções locais em âmbito rural, que tanto tem projetado o nome da freguesia dos Prazeres e da Região Autónoma da Madeira."