CDS defende mais investimento no saneamento básico e na rede de água potável na Calheta

O candidato do CDS à Câmara Municipal da Calheta defendeu o investimento prioritário no saneamento básico e na rede de água potável em todo o concelho. A comitiva rumou ao Arco da Calheta para defender "um investimento prioritário, nos próximos...

CDS defende mais investimento no saneamento básico e na rede de água potável na Calheta
O candidato do CDS à Câmara Municipal da Calheta defendeu o investimento prioritário no saneamento básico e na rede de água potável em todo o concelho. A comitiva rumou ao Arco da Calheta para defender "um investimento prioritário, nos próximos anos, neste concelho. Estamos a falar, mais concretamente, do saneamento básico e rede de água potável para todo o concelho da Calheta", explicou o candidato do CDS-PP à Câmara da Calheta, Gabriel Neto. "Existem muitas perdas de água na rede de água potável, pelo que é urgente criar reservatórios em todos os sítios do concelho para que haja um melhor aproveitamento deste nosso bem precioso", afirmou, considerando que "se o concelho da Calheta está a crescer em termos de investimento privado, o município tem que acompanhar este crescimento. E, neste sentido, é necessário uma aposta clara no saneamento básico." Gabriel Neto afirma que o investimento do saneamento básico na calheta "tem sido zero", e "se o concelho está a crescer, há que criar condições para os novos aglomerados populacionais." "Apesar desta ser uma obra pouco visível para as populações, é de extrema importância para a sustentabilidade do nosso concelho. Este investimento no saneamento básico irá permitir melhorar a qualidade de vida da população, bem como melhorias sociais e melhorias ambientais. Por essa razão, o CDS considera que este é um investimento prioritário e que deve ser defendido", prosseguiu. O centrista denuncia que "nenhuma zona da calheta tem saneamento básico". "De facto, existem redes de água potável que chegam a toda a população mas esta rede está claramente obsoleta, havendo muitas perdas de água, pelo que é impreterível a sua renovação." "A saúde das populações é mais importante do que qualquer obra", concluiu.